Você sabia que apenas 5% a 10% dos casos de câncer são hereditários?

câncer hereditário

Entenda melhor essa doença e suas causas

Muitas pessoas acreditam que herdam dos pais a possibilidade (ou não) de desenvolverem câncer. Mas você sabia que apenas entre 5% e 10% dos casos de câncer se dão por um fator hereditário? Os dados são de um estudo divulgado pelo National Cancer Institute (NIH). Um fator hereditário significa que a pessoa já nasce com alterações genéticas, que aumentam suas probabilidades de contrair essa doença, podendo essa mutação genética vir de qualquer um dos pais, bem como de ambos. 

Essa porcentagem é bem pequena em relação aos demais tipos de câncer, mas, de acordo com levantamento da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), 84% das pessoas relacionam o câncer à hereditariedade, sendo o segundo fator mais lembrado de todos, atrás apenas do tabagismo

Abaixo adentraremos em algumas informações que permeiam esse assunto, todas revisadas pela Dra. Anezka Ferrari, Oncologista Clínica do Instituto de Oncologia do Hospital Santa Paula (IOSP) e também médica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).

O que é câncer?

Primeiramente, é preciso entender como o câncer se manifesta no corpo humano. 

O câncer é uma doença causada por alterações nos genes – porções da molécula de DNA que controlam o funcionamento de nossas células, especialmente como elas crescem e se dividem. 

Certas alterações genéticas podem fazer com que as células recebam instruções erradas para as suas atividades e, por exemplo, escapem aos controles normais de crescimento, apresentando divisão celular contínua e descontrolada. Essas células são chamadas de cancerígenas e, conforme vão invadindo progressivamente o organismo, acabam adoecendo todo o corpo. 

Assim, se tornam incontroláveis e tendem a ficar “agressivas”, se disseminando e invadindo outros órgãos, além de determinarem a formação de tumores malignos.

O que causa o câncer?

As primeiras manifestações da doença podem surgir após muitos anos de uma exposição única ou contínua aos fatores causais. Esses fatores podem agir isoladamente, em conjunto ou em sequência para resultar no início da doença. São eles:

  • Fatores externos, relativos ao ambiente físico, como um vírus ou a exposição à radiações e à produtos químicos;
  • Resultado de hábitos e costumes próprios (ou de uma mesma família/comunidade), como o consumo excessivo de cigarro e álcool, exposição excessiva ao sol ou uma dieta muito inadequada;
  • Fatores internos, isto é, hormônios, um sistema imunológico comprometido ou mutações genéticas;
  • Fatores hereditários.

Câncer hereditário

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) ressalta que “são raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários.

Assim, ressalta-se que, em geral, o câncer não é hereditário. O que podem acontecer são alguns casos em que há uma mutação herdada – que já estava presente no espermatozoide ou no óvulo – do pai ou da mãe – responsável por tornar essa determinada pessoa mais sensível à ação dos agentes ambientais que causam o câncer. Isso pode justificar porque após a exposição a uma mesma substância cancerígena algumas pessoas desenvolvem câncer e outras não. 

É importante ressaltar que, no caso de um número considerável de pessoas de uma mesma família serem portadoras da doença, deve ser considerada a hipótese de exposição desses familiares a uma causa comum – um ambiente ou estilo de vida compartilhados pelos mesmos, como o tabagismo, por exemplo. De qualquer forma, mesmo que uma mutação predisponente ao câncer esteja presente em uma família, nem todos que herdarem a mutação necessariamente desenvolverão câncer. 

Previna-se

  • Procure ter hábitos de vida mais saudáveis:
  • Tenha uma dieta equilibrada com frutas, legumes e verduras;
  • Faça exercícios físicos regulares;
  • Evite o uso excessivo de bebidas alcoólicas e de cigarro;
  • Use protetor solar e evite exposição ao sol em horários de pico. 

Hoje existem testes genéticos que podem identificar mutações causadoras de síndromes hereditárias de câncer. Caso sua família apresente um histórico positivo para o câncer, converse com o seu médico ou outro profissional de saúde para que esses exames sejam solicitados. Afinal, o aconselhamento genético pode ajudar você e sua família a entenderem os resultados, considerarem os riscos, benefícios e limitações do teste genético em suas situações particulares. O importante é investigar corretamente para, então, se ter a certeza sobre quais serão seus próximos passos.

Fonte: Dra. Anezka Ferrari, Oncologista Clínica do Instituto de Oncologia do Hospital Santa Paula (IOSP) e também médica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre o Hospital Santa Paula

O Hospital Santa Paula é um centro de excelência em saúde localizado na zona sul de São Paulo. Pertence à Rede Ímpar, que congrega 7 hospitais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal e que se uniu à DASA, líder em medicina diagnóstica no Brasil, com mais de 30 marcas de laboratórios no País e GSC Integradora de Saúde. 

Inaugurado em 1958, tem como foco a alta complexidade, atuando em mais de 30 especialidades médicas, com destaque para Oncologia, Cardiologia, Neurologia e Ortopedia. 

Com uma área de 18 mil metros quadrados, dividida em três edifícios, possui 200 leitos, sendo 50 deles destinados especificamente à Terapia Intensiva. Além disso, dispõe de Centro Cirúrgico com nove 9 salas de cirurgia e dez leitos de recuperação anestésica. Anualmente, realiza 9 mil procedimentos cirúrgicos, 14 mil internações e atende aproximadamente 100 mil pacientes no Pronto Atendimento. Conta com mais de 1,2 mil colaboradores diretos e indiretos e possui em seu corpo clínico 2,4 mil médicos cadastrados. 

Em 2012 conquistou a certificação Joint Commission International (JCI) e em 2014 conquistou certificação JCI para tratamento de AVC. Em 2018, obteve o Selo Pleno do Hospital Amigo do Idoso, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Naquele mesmo ano, recebeu a Certificação Internacional da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS) estágio 7 (grau máximo), uma das associações internacionais de maior prestígio mundial no setor de saúde. A instituição foi a primeira de São Paulo a conquistar o nível máximo da EMRAM – Electronic Medical Record Adoption Model -, se consolidando como hospital totalmente digital (paperless).