Você sabe o que é endometriose?

Se você costuma sentir dor intensa no pé da barriga (pelve) durante o período menstrual e nas relações sexuais ou está com dificuldade de engravidar, fique atenta: esses sintomas são comuns na endometriose, condição que afeta a qualidade de vida de milhões de brasileiras.

A discussão desse tema é essencial para que haja conscientização sobre a necessidade de procurar ajuda médica na presença de qualquer um desses sinais. Afinal, se não for diagnosticada e tratada precocemente, essa doença pode causar piora importante na qualidade de vida da paciente, além de resultar em infertilidade. Estudos indicam que 50% das mulheres inférteis ou que apresentam dificuldade para engravidar podem estar acometidas pela endometriose.

Entenda essa complicação

A endometriose atinge mais de 7 milhões de brasileiras, o que representa de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva no país, segundo dados da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE).

No geral, a endometriose acontece quando o endométrio – tecido que normalmente reveste a parte interna do útero – cresce fora da cavidade uterina, como nas trompas, nos ovários, nas tubas, no intestino, no peritônio (pele interna que recobre nossas vísceras) e na bexiga, por exemplo. O desenvolvimento da doença pode se dar de três formas distintas:

  • superficial – consiste na formação de pequenas lesões, entre 1mm e 3mm, na região pélvica. Esse quadro é considerado menos agressivo que os outros tipos, mas requer acompanhamento constante para evitar sua progressão.
  • ovariana – ocorre quando cistos de 0,5cm até 10cm são formados dentro do ovário, decorrentes do sangue que se aloja no local a cada ciclo menstrual.
  • profunda – é quando há a presença de lesões de, no mínimo, 5mm, que são mais infiltrativas e profundas, resultando em dores fortes na paciente. Esse tipo de endometriose fica agarrada no peritônio e forma nódulos de diversos tamanhos.

Dependendo do grau da lesão e do tipo de manifestação no corpo, as mulheres acometidas pela patologia podem apresentar os referidos sintomas com maior ou menor intensidade.

Com qual idade devo começar a me preocupar?

O endométrio é mais hormonalmente estimulado na fase reprodutiva da mulher (menacme). Assim sendo, a endometriose pode atingir desde meninas jovens até mulheres maduras pouco antes de atingirem a menopausa (última menstruação).

A faixa de maior acometimento é dos 25 aos 35 anos.

Em caso de diagnóstico positivo, como é o tratamento?

O tratamento é multidisciplinar e inclui, inicialmente, a tentativa de tratamento clínico,   que objetiva o bloqueio hormonal para interromper a menstruação, medicamentos para controlar a dor, fisioterapia, acupuntura, prática de atividades físicas, dieta para endometriose e cuidados com a saúde mental das pacientes, por meio de terapia e meditação.

Em caso de insucesso do tratamento clínico e do comprometimento da função dos órgãos pélvicos, bem como de suas alterações anatômicas e infertilidade, o tratamento cirúrgico está indicado.

O Hospital Santa Paula possui um avançado Centro de Endometriose, cujo diferencial é a existência de uma equipe multidisciplinar composta por médicos cirurgiões especialistas, com grande experiência em cirurgia pélvica, fundamental para o diagnóstico precoce e o tratamento adequado dessa doença.

Fonte: Dr. Altamiro Ribeiro, médico chefe do Serviço de Oncologia Pélvica do Hospital Santa Paula.