O que é trauma, quais os tipos e como tratá-lo?

Trauma Neurológico

Eventos traumáticos podem provocar lesões e afetar função neurológica

Apesar das precauções para se evitarem acidentes e, consequentemente, machucados, sejam eles leves ou graves, ainda assim, os riscos diários levam as pessoas a eventos traumáticos, entre eles: quedas; queimaduras; afogamentos; envenenamentos; acidentes domésticos; violência e acidentes de trânsito. Este mês é marcado pela campanha Maio Amarelo, que tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da redução dos acidentes automobilísticos, responsáveis por boa parte das mortes e de lesões com sequelas graves que ocorrem após o trauma.

De acordo com o Dr. Alexandre Bossoni, neurologista do Hospital Santa Paula, “Acidentes podem causar lesões neurológicas de diversas maneiras. Um afogamento, por exemplo, pode gerar redução persistente da oxigenação do sangue e isso propiciar uma lesão neurológica. Um acidente automobilístico, no momento do impacto e da desaceleração, pode causar lesões diretas no tecido cerebral, sangramento e até fraturas ósseas que levam à lesão do tecido nervoso”, explica.

Mas, afinal, o que é trauma e quais são os seus principais tipos? Confira a seguir!

O que é trauma?

O termo “trauma” é usado para definir ou descrever as lesões causadas por um evento que gera um ferimento de maneira inesperada, ou seja, envolvem danos causados por acidentes diversos, violência ou agressões, que podem ocasionar feridas graves e afetar órgãos, de modo que precisam ser tratados de forma ágil por especialistas. Os principais incidentes que evidenciam a necessidade desse tipo de atenção e cuidado médico são categorizados em três grupos, descritos a seguir.

Tipos de trauma

Entre as principais ocorrências tratadas nos hospitais temos:

– traumas contusos – quando não há perfuração da pele, como no caso de pancadas ou escorregões;

– traumas penetrantes – quando há rompimento e laceração da pele, como perfurações por armas de fogo ou outros objetos e fraturas expostas;

– traumas mistos – consiste na combinação dos dois tipos de ferimento, comuns em acidentes de trânsito, por exemplo.

Como tratar a condição?

O episódio de um trauma necessita de atendimento imediato para minimizar danos. Por isso, o cuidado tem que ser urgente para o controle de eventual hemorragia e a avaliação do estado geral do organismo, a fim de promover uma intervenção, caso necessário, e para manter a vida do paciente e evitar sequelas.

O Instituto de Neurologia Santa Paula trata condições que incluem, principalmente, lesões e oferece atendimento 24 horas no pronto-socorro para casos de urgência e emergência neurológica, além de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neurológica, com excelentes profissionais e os mais modernos recursos para diagnóstico e tratamento.

Traumas neurológicos

Os principais eventos que podem provocar traumas neurológicos são aqueles que ocorrem no trânsito e durante a prática de atividades, como ciclismo, automobilismo e demais esportes de impacto. Um movimento repentino pode afetar o cérebro e danificar os neurônios. Embora o chamado “abalo neurológico” não ofereça risco de morte, ele pode prejudicar as funções cognitivas e motoras e, comumente, acontece na prática de esportes de contato, como futebol, hóquei ou rugby.

O Dr. Alexandre Bossoni, neurologista do Hospital Santa Paula, explica por que é importante buscar atendimento médico em casos de acidente, mesmo que aparentemente pareça algo sem gravidade: “Em se tratando de um acidente leve, de baixa energia, num paciente saudável e jovem, é realmente pouco provável que haja alguma lesão efetiva. No entanto, traumas em idosos devem sempre ser examinados com cuidado. Todos os traumatismos que envolvam ferimentos na cabeça, perda de consciência e de memória e crises convulsivas devem ser imediatamente examinados por médico capacitado para esse tipo de atendimento”, explica.

Fonte:  Dr. Alexandre Bossoni, neurologista do Hospital Santa Paula.