Importância do cuidado com o pulmão

Doença Pulmonar

Conheça as principais doenças pulmonares e os sintomas que exigem atenção

Doenças pulmonares são aquelas que afetam o pulmão e impedem o órgão de funcionar de maneira correta. Isso pode acontecer de diversas maneiras: umas prejudicam a absorção de oxigênio, outras dificultam o sistema brônquico de distribuir o ar ou desempenhar a função de remover substâncias nocivas que se acumulam e então causam dificuldade para os músculos respiratórios se contraírem.

O Dr. Andrei Augusto Assis de Campos Cordeiro, chefe do Setor de Pneumologia do Hospital Santa Paula, pontua que as doenças pulmonares são divididas entre obstrutivas e restritivas. “As obstrutivas são a DPOC e a asma, principalmente, e são doenças que afetam os brônquios e impedem a saída de ar dos pulmões, causando o que chamamos de hiperinsulflação. Dessa maneira, ar pobre em oxigênio fica retido e não há troca gasosa. Do outro lado estão as doenças restritivas, também conhecidas como fibroses pulmonares, que abrangem um vasto grupo de doenças. Elas causam dificuldade para expandir o pulmão e realizar a troca gasosa pelo acometimento do parênquima pulmonar.”

Abaixo, explicamos mais detalhadamente esse assunto. Confira!

Tipos de doença pulmonar

Existem diversos tipos de doença que prejudicam a função do pulmão de realizar as trocas gasosas, ou seja, absorver o oxigênio e eliminar o gás carbônico, ação fundamental para o processo respiratório. Os problemas pulmonares podem ser das vias respiratórias, da circulação pulmonar e dos tecidos. Conheça como ocorre cada um deles.

Doenças das vias respiratórias

Elas afetam os tubos de transporte do oxigênio, causando estreitamento ou até mesmo bloqueio das vias aéreas. As principais doenças das vias respiratórias são:

  • enfisema pulmonar;
  • bronquite;
  • asma.

Doenças da circulação pulmonar

Já as doenças da circulação pulmonar afetam os vasos sanguíneos dos pulmões, condições ocasionadas por inflamação dos vasos sanguíneos, coagulação do sangue ou escoriação e que atingem a capacidade de absorção do oxigênio e a liberação do dióxido de carbono. Elas também podem afetar o coração.

Entre as principais doenças pulmonares estão:

  • doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC);
  • câncer de pulmão;
  • pneumonia;
  • asma;
  • edema pulmonar;
  • bronquite;
  • bronquiolite;
  • enfisema pulmonar;
  • tuberculose;
  • doença pulmonar reumatoide;
  • síndrome respiratória aguda severa (SARS);
  • gripes e resfriados.

Doenças do tecido pulmonar

São as que afetam o tecido pulmonar e prejudicam a função dos pulmões de se expandirem completamente, o que torna mais difíceis a absorção do oxigênio e a liberação do dióxido de carbono. Os exemplos mais comuns são:

  • sarcoidoses pulmonares;
  • fibrose.

Causas

O médico especialista do Hospital Santa Paula destaca que são diversas as causas das doenças pulmonares. “A principal delas, com certeza, é o tabagismo, mas também incluem a exposição à queima de biomassa, ainda importante no Brasil por causa da presença do fogão a lenha e pelo trabalho em carvoarias, principal causa de DPOC e câncer de pulmão no país. A asma, outra doença pulmonar importante, ainda não tem causa definida e tem como base a genética do indivíduo, mas sabemos que existem situações que podem causar sua exacerbação, como a não aderência ao tratamento proposto, infecções das vias aéreas superiores e inferiores, mudança de temperatura, emoções fortes e presença de rinite alérgica ou doença do refluxo gastroesofágico”, explica o Dr. Andrei.

Entre as causas das doenças pulmonares também vale destacar as doenças reumáticas que afetam o pulmão, como a artrite reumatoide e a esclerose sistêmica, principalmente. “A pneumonite de hipersensibilidade, um dos principais tipos de fibrose pulmonar no Brasil, é causada por inalação de antígenos presentes no mofo e nas penas e fezes de pássaros. Além disso, existem outras doenças sem causa definida como a fibrose pulmonar idiopática e a sarcoidose”, complementa o médico.

Sintomas

Os sintomas das doenças pulmonares podem ser mais discretos no início e se agravarem ao longo do tempo. Apesar de cada DPOC ter características específicas, há alguns sinais de alerta comuns entre elas:

  • tosse persistente;
  • coloração azulada das extremidades, como pontas dos dedos e a boca (por causa da falta de oxigênio no sangue);
  • respiração ofegante;
  • dispneia, isto é, falta de ar (para realizar esforços cada vez menores);
  • alargamento das unhas e dos dedos (baqueteamento digital, quando os dedos das mãos ficam como baquetas de bateria);
  • chiado, isto é, sons respiratórios que podem ser ouvidos pelo médico com auxílio do estetoscópio.

Se perceber um ou mais desses sintomas, procure avaliação médica para um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é realizado com base na avaliação do quadro clínico do paciente. Os exames que detectam os problemas no pulmão são testes como espirometria e prova de função pulmonar. Também são feitas uma análise de gasometria arterial, que é a coleta de sangue de uma artéria, e a verificação do oxigênio no sangue por meio da oximetria de pulso.

Apesar de algumas doenças pulmonares serem crônicas e, portanto, não terem cura, como é o caso da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), elas podem ser tratadas para interromper seu agravamento e proporcionar melhor qualidade de vida para o paciente. O conjunto de soluções terapêuticas, de acordo com a indicação médica, com particularidades caso a caso, pode incluir medicamentos para melhorar a respiração, como broncodilatadores e anti-inflamatórios, e reabilitação para a respiração, além do afastamento do agente causador, como o cigarro, fumaça de certos ambientes de trabalho e poluição, entre outros agentes tóxicos.

Formas de prevenção

A prevenção das doenças pulmonares com causa bem definida se inicia sempre com o afastamento do paciente das fontes que deflagram a patologia, além da evitação daqueles fatores que são causa de agravamento da condição. Desse modo, a cessação do tabagismo ocupa papel central na prevenção.

“Como já dito anteriormente, pacientes que têm doenças causadas pela exposição a antígenos como mofo e dejetos de pássaros, incluindo travesseiro de pena de ganso, devem se afastar desses gatilhos. O tratamento da doença pulmonar e a aderência do paciente a ele também são maneiras de prevenir possíveis complicações futuras e a progressão da enfermidade. Independentemente de pandemia, os portadores de doença pulmonar grave devem evitar aglomerações e devem sempre se vacinar, anualmente, contra a influenza e a pneumonia”, ressalta o chefe do Setor de Pneumologia do Hospital Santa Paula.

Como o Hospital Santa Paula recebe e atende esses casos?

A equipe de pneumologia do Hospital Santa Paula está totalmente capacitada para diagnosticar e cuidar de todas as doenças pulmonares.

“Nós dispomos de tratamento para todas as patologias pulmonares. Algumas, mais graves, que necessitam de medicação venosa com frequência, podem ser tratadas em nosso centro de oncologia, que possui grande expertise na infusão dessas medicações. Entretanto, certas doenças pulmonares raras, principalmente as doenças da vasculatura pulmonar, como hipertensão arterial pulmonar e hipertensão pulmonar tromboembólica crônica, são preferencialmente tratadas em centros de referência”, conclui o Dr. Andrei Augusto Assis.

Fonte: Dr. Andrei Augusto Assis de Campos Cordeiro, chefe do Setor de Pneumologia do Hospital Santa Paula.