Doenças autoimunes: quais são e os cuidados necessários

A doença autoimune caracteriza-se pelo prejuízo no funcionamento do sistema imunológico que, por sua vez, faz com que o organismo afete os próprios tecidos. Não se sabe a causa exata que desencadeia as doenças autoimunes, mas acredita-se que fatores ambientais possam ser um gatilho para o seu desenvolvimento em pessoas com predisposição genética. Vamos entender um pouco mais sobre o assunto.

O que é doença autoimune?

Antes, vale a pena compreender como funciona o sistema imunológico.

A Dra. Jaqueline Barros Lopes, reumatologista do Instituto de Oncologia do Hospital Santa Paula (IOSP) explica que, habitualmente, o sistema imune tem a capacidade de distinguir o próprio do não próprio, ou seja, de tolerar os antígenos do hospedeiro (tolerância ao próprio) e responder apenas a antígenos estranhos, como: parasitas, vírus, bactérias, células cancerígenas, tecidos e órgãos transplantados.

Na doença autoimune, o sistema imune começa a reconhecer estruturas do organismo como estranhas e passa a atacar a si próprio. Portanto, ao invés das células imunes reagirem apenas contra os agentes nocivos, elas reagem contra estruturas do próprio corpo, produzindo os chamados autoanticorpos, por considerar os tecidos do próprio organismo elementos estranhos.

A isso chamamos de reação autoimune. Dessa forma, o órgão ou tecido contra o qual essa reação ocorrerá, causando dano, determinará qual doença autoimune será desenvolvida. Na artrite reumatoide, por exemplo, essa reação autoimune ocorrerá contra as articulações; na tireoidite de Hashimoto, contra a tireoide; na diabetes mellitus tipo I, contra o pâncreas; e assim por diante.

Quais são as doenças autoimunes?

São várias as doenças autoimunes, entre as mais conhecidas e mais comuns, estão:

▪ Artrite reumatoide;

Lúpus eritematoso sistêmico;

Tireoidite de Hashimoto;

Diabetes mellitus tipo 1;

▪ Doença de Graves.

Entretanto, existem muitas outras mais raras como: a síndrome de Sjögren, a Esclerose Múltipla e a Esclerose Sistêmica Progressiva.

De acordo com a médica: “de uma maneira geral, as doenças autoimunes começam com sintomas inespecíficos, ou seja, comuns a um enumerado de outras doenças. Fadiga, dores articulares, febre sem evidência de infecção e emagrecimento podem, muitas vezes, ser os primeiros sintomas de doença autoimune. Algumas, como o lúpus, podem se manifestar com rash malar, uma lesão avermelhada na região malar que piora com a exposição solar. A artrite reumatoide costuma acometer as articulações das mãos de forma simétrica causando inchaço e rigidez matinal intensa. Um dos primeiros sintomas da síndrome de Sjögren é a secura ocular e a sensação de areia nos olhos. Já o fenômeno de Raynaud, está mais associado à Esclerose Sistêmica Progressiva”.

Quais as causas e fatores de risco?

Segundo a Dra. Jaqueline Barros Lopes: “ainda não se sabe ao certo como muitas doenças autoimunes são desencadeadas e nem o exato motivo de atingir uma pessoa e não outra. Sabe-se que algumas delas podem ter os genes mais propensos para a ocorrência da doença. Contudo, a propensão hereditária trata-se apenas de uma sútil possibilidade, e provavelmente existem muitos fatores ambientais não conhecidos que levarão ao desenvolvimento da doença. Outro dado conhecido é que as doenças autoimunes afetam, em número maior, as mulheres”.

Diagnóstico de doenças autoimunes

O diagnóstico de doença autoimune é feito através de uma avaliação médica detalhada, incluindo história clínica e o exame físico, associado a exames laboratoriais ou de imagem.

Alguns exames laboratoriais podem verificar se existe uma inflamação em curso como a velocidade de hemossedimentação (VHS) e a Proteína C Reativa (PCR). Mas esses exames são inespecíficos e sua alteração nem sempre significa a presença de doença autoimune.

Dependendo da história clínica, o médico ainda poderá solicitar exames para identificação de anticorpos como o FAN, frequentemente positivo em pessoas com lúpus, ou anticorpos mais específicos como o contra peptídeo citrulinado cíclico (anti-CCP), presente em algumas pessoas com artrite reumatoide (AR), as chamadas AR soropositivas ou ainda o antiperoxidase (anti-TPO) presente naquelas com tireoidite de Hashimoto.

A presença ou ausência dos anticorpos são insuficientes para fechar ou afastar o diagnóstico de uma doença autoimune. Por isso, muitas vezes, exames de imagem como ressonância magnética, tomografia e ultrassonografia são também necessários.

O médico avaliará todos os fatores combinados para chegar a um diagnóstico preciso sobre a doença.

Doença autoimune tem cura?

As doenças autoimunes costumam ser crônicas, ou seja, não têm cura, assim como a hipertensão arterial. No entanto, podem ser tratadas e controladas evitando-se sequelas. O tipo de tratamento irá depender do tipo de doença, sendo algumas vezes mais intenso no período de crise e mais ameno quando a doença está fora de atividade, o que chamamos de remissão.

A médica ressalta que: “além do acompanhamento médico, com consultas regulares e uso correto das medicações prescritas, o paciente com doença autoimune também precisa manter hábitos saudáveis, como praticar atividade física, não fumar e ter uma alimentação balanceada. O combate à obesidade faz parte do tratamento de muitas doenças autoimunes, especialmente a artrite reumatoide”.