Cefaleia tipo tensão: quando se preocupar?

cefaleia tipo tensional

Raramente alguém pode dizer que nunca teve dor de cabeça ao menos uma vez na vida. Chamada na medicina de cefaleia, esse quadro é também um dos principais motivos de reclamação nos consultórios médicos.

Essas dores constantemente são incômodas e afetam as atividades diárias de quem sofre com a condição. Além disso, quando se tornam intensas e incessantes, causam preocupação. Não é incomum as pessoas acharem que se trata de algo grave, mas, atenção: apenas o médico pode avaliar o caso para indicar o tratamento adequado.

Hoje o assunto da nova edição do blog é sobre um tipo de dor de cabeça bastante corriqueiro: a cefaleia tipo tensão. A seguir, saiba mais sobre seus sintomas, causas e formas de tratamento.

Sintomas da cefaleia tipo tensional

A cefaleia tipo tensional provoca um grau de dor que varia de leve a moderada e costuma ser descrita como se houvesse uma fita apertada em volta da cabeça. Um dos tipos mais comuns de dor de cabeça, normalmente afeta a parte da frente da cabeça, a região ao redor dos olhos e/ou toda a região do crânio.

Podem ocorrer crises de forma episódica – quando duram menos de 15 dias por mês –, com dor leve ou moderada que vai aumentando ao longo do dia, ou crônicas – que duram mais de 15 dias por mês –, cuja intensidade da dor pode variar ao longo de 24 horas, mas geralmente fica presente durante todo esse intervalo. Diferentemente das enxaquecas, as cefaleias tensionais não provocam vômitos ou náuseas e também não pioram com sons, luzes, odores ou atividades físicas.

Conforme explica o Dr. Alexandre Souza Bossoni, neurologista do Hospital Santa Paula, o diagnóstico de cefaleia tipo tensão é feito quando a dor de cabeça dura de 30 minutos a sete dias com a presença de pelo menos duas das quatro características seguintes:

▪ localização bilateral;

▪ sensação de pressão ou aperto (não pulsátil);

▪ intensidade branda ou moderada;

▪ não é agravada por atividades físicas rotineiras, como caminhar ou subir escadas;

▪ ausência de náusea, vômitos, fotofobia ou fonofobia (apenas uma delas pode estar presente).

O que pode causar a enxaqueca tipo tensional?

De acordo com o especialista Dr. Alexandre Souza Bossoni, “a causa exata é desconhecida. Acredita-se que haja uma predisposição individual que interage com fatores externos (ambiente), internos (outras doenças como depressão, ansiedade, estressores etc.) e comportamentais (tabagismo, sedentarismo, alimentação inadequada etc.)”.

Embora a causa da cefaleia tipo tensional não seja totalmente compreendida, podendo ocorrer espontaneamente nas pessoas sem motivo aparente, ela pode ser agravada por diversos fatores do dia a dia:

▪ estresse físico e emocional;

▪ transtornos do sono;

▪ pouco repouso;

▪ ansiedade;

▪ fome;

▪ excesso de exercícios.

É importante verificar também se a dor de cabeça não está sendo exacerbada por problemas de articulação temporomandibular (ATM), má postura, contratura da musculatura do pescoço e outros fatores relacionados com os ossos e os músculos do pescoço e da região dos ombros.

Quanto tempo a cefaleia tipo tensional dura?

Segundo o Dr. Alexandre Souza Bossoni: “Por definição, o tempo de cada crise de dor pode variar de 30 minutos até 7 dias.”.

Como tratar esse tipo de dor de cabeça?

Apesar de a maioria dos casos de cefaleia tipo tensional, com dor leve a moderada, passar com o uso de analgésicos comuns, a indicação é sempre buscar atendimento médico para uma avaliação propícia do tipo de dor. Massagear a área afetada também pode ajudar a aliviar o desconforto temporariamente. Se forem crônicas (a definição de cefaleia tipo tensional crônica é quando a crise dura 15 dias ou mais por mês, por mais de três meses, ou seja, o paciente sente dor 180 dias ao ano ou mais), alguns medicamentos específicos, prescritos por médicos especializados, podem ajudar a aliviar as crises.

Quando devo procurar um médico?

É importante procurar ajuda médica sempre que a dor atrapalhar o dia a dia do indivíduo, quando houver piora progressiva da dor ao longo do tempo ou quando for observada mudança aguda no padrão de dor existente.

Atenção aos sinais de alerta para dores de cabeça mais graves! Sintomas como os descritos a seguir devem ser investigados:

– depois de trauma forte na cabeça;

– dor abrupta e severa;

– dor associada à febre;

– visão dupla;

– rigidez do pescoço;

– confusão mental;

– convulsões;

– fraqueza;

– dormência ou dificuldade na fala.

Fonte: Dr. Alexandre Souza Bossoni, neurologista do Hospital Santa Paula.