Endoscopia: o que é, para que serve e como é feito o exame

O exame de endoscopia digestiva tem o objetivo de visualizar a parte superior do trato gastrointestinal, da qual fazem parte o esôfago, o estômago e o duodeno, que é a primeira região do intestino delgado.

Esse exame normalmente é indicado por um médico gastroenterologista com a finalidade de diagnóstico e também para o tratamento de problemas do sistema digestivo alto.

A seguir, saiba mais características do exame, quando ele é recomendado e como deve ser o preparo para sua realização. A Dra. Marlise Mucare, gastroenterologista do Hospital Santa Paula, explica mais sobre o tema. Confira na leitura completa!

O que é endoscopia?

A endoscopia é um exame feito por meio de um tubo flexível, chamado endoscópio, a fim de analisar a mucosa do esôfago, estômago e duodeno. Esse tubo contém um chip com uma câmera capaz de capturar as imagens do sistema digestivo.

Para que serve o exame?

Esse exame é indicado para o diagnóstico de doenças, entre as quais estão: esofagite, gastrite, hérnia de hiato, tumores e sangramentos. Por meio da endoscopia digestiva é possível:

  • Avaliar complicações da doença do refluxo gastroesofágico;
  • Investigar quadros de dor ou desconforto no abdome superior;
  • Fazer rastreio de câncer;
  • Investigar quadro de náuseas e vômitos;
  • Avaliar e tratar alguns tipos de sangramentos do trato gastrointestinal superior;
  • Investigar varizes de esôfago em pessoas com cirrose;
  • Investigar quadros de anemia;
  • Investigar o motivo de dificuldade de engolir alimentos;
  • Avaliar cura ou evolução de pólipos, tumores ou úlceras.

Saiba mais sobre: diverticulite aguda e síndrome do intestino irritável.

Como a endoscopia é feita?

A endoscopia é um procedimento que dura entre 15 a 30 minutos e não necessita de internação hospitalar. O paciente é colocado de lado, e uma veia do braço é puncionada para que sejam colocados sedativos e analgésicos.

O exame se inicia com a colocação do endoscópio pela boca, que é inserido devagar por meio da orofaringe, passando pelo esôfago, pelo estômago e, por fim, pelo duodeno. À medida que avança, o médico irá avaliar como está a mucosa. O endoscópio não tem nenhuma interferência no trato respiratório, ou seja, não é sentida nenhuma dificuldade ao respirar.

Caso sejam observadas lesões suspeitas, o médico poderá realizar biópsias, com a retirada de pequenas amostras da mucosa para avaliação futura de um médico patologista.

Como é a preparação para fazer o exame?

A preparação consiste em dieta leve no dia anterior, sem ingestão de alimentos de difícil digestão. O estômago precisa estar vazio para melhor visualização dos órgãos. Assim, é indicado um jejum total de oito horas antes do procedimento. Além disso, em alguns casos, o médico pode suspender o uso de medicamentos anticoagulantes.

O sedativo da endoscopia é perigoso?

As possíveis complicações pelo uso do anestésico são:

  • Batimento cardíaco lento;
  • Dificuldade para respirar;
  • Baixa pressão arterial;
  • Espasmos da laringe;
  • Transpiração excessiva;
  • Amnésia transitória.

Essas ocorrências devem ser avaliadas e merecem atenção do médico.

Existe limite de peso para fazer endoscopia?

Conforme explica o Dra. Marlise Mucare, “pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) maior ou igual a 40, devem realizar o exame internados em ambiente hospitalar.”

Saiba mais sobre cirurgia bariátrica.

Setor de Endoscopia do Hospital Santa Paula

Contar com tecnologia de ponta e equipe experiente faz toda a diferença no diagnóstico e no tratamento de doenças digestivas. O Hospital Santa Paula dispõe do setor de Endoscopia digestiva em parceria com o Laboratório Delboni para realizar diversas modalidades de exames endoscópicos.

Além disso, possui equipamentos de última geração com alta definição e cromoscopia digital, que possibilita melhores taxas de rastreio diagnóstico das lesões. Para mais informações e agendamentos, ligue para (11) 3040-8000.