Hérnia de disco

A hérnia de disco ocorre quando parte de um disco intervertebral sai de sua posição normal e comprime as raízes nervosas que se ramificam a partir da medula espinhal e que emergem da coluna espinhal. Esse problema é mais comum nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.

Uma hérnia de disco pode irritar nervos próximos e resultar em dor, dormência ou fraqueza em um braço ou perna. Por outro lado, muitas pessoas não experimentam sintomas de uma hérnia de disco.

Cerca de 20% da população tem hérnia de disco e não tem dor. Ter hérnia de disco não significa estar doente. Cerca de 80% das dores por hérnia de disco acabam dentro de 2 meses, com ou sem tratamento, os 20% restantes irão levar a dor crônica.

Como a hérnia de disco se forma?

Segundo o neurologista Marcos Maldaun, a hérnia de disco se forma por processos que afetam a biomecânica da coluna, o equilíbrio, o disco, a musculatura paravertebral e corpo vertebral com movimentos. Eles podem degenerar o disco vertebral, rompê-lo e fazer com que fragmentos de disco migrem, causando a hérnia. Estas alterações podem ocorrer por conta de um espirro, tosse ou com a prática de movimentos mais intensos em esportes com impacto e carga excessivos – principalmente em indivíduos que têm predisposição à doença.

Tipos
  • Protrusões: hérnias geralmente menores e contidas por parte do ânulo fibroso do disco
  • Hérnias extrusas: quando há lesão completa deste ângulo.
  • Hérnias sequestradas e hérnias migradas: onde o fragmento herniado se alonga pelo canal medular, chegando a se separar completamente do disco.

De forma geral, a hérnia de disco pode ocorrer em qualquer parte da coluna, sendo mais frequente nos últimos níveis da coluna lombar, principalmente l4-5 e l5 e sacro.

Causas

Os discos intervertebrais são estruturas em formato de anel ou discos localizados entre as vértebras que formam a coluna espinhal. Os discos são constituídos por tecido cartilaginoso e elástico e tem como principal função evitar o atrito entre uma vértebra e outra, mas permitindo o movimento entre elas.

A hérnia de disco acontece com o desgaste desses discos, causado pelo seu uso repetitivo. Na hérnia de disco, existe uma fraqueza ou mesmo uma ruptura do anel que contém o disco, onde uma parte de seu conteúdo sai de sua posição normal e invade o canal vertebral, onde passam a comprimir as raízes nervosas, causando compressão sobre elas e, consequentemente, dor.

O desgaste pelo tempo e a genética são os principais causas predisponentes de uma hérnia de disco, mas forçar os músculos das costas para levantar peso excessivo pode ser um desencadeador deste problema.

Fatores de risco

Excesso de peso e fazer atividades que demandem grande esforço físico são fatores que podem desencadear problemas nas costas, entre elas a hérnia de disco. Movimentos de repetição no trabalho que exigem muito dos músculos das costas podem causar desgaste dos discos e, consequentemente, levar à hérnia. O sedentarismo e a posição repetida, como por exemplo a de ficar sentada por muito tempo também podem gerar lesões nos discos, que podem causar a hérnia de disco.

Há evidências também de que a genética possa ter um papel de importância no desenvolvimento de hérnias de disco. Isso quer dizer que você está em maior risco para hérnia de disco se seus pais, irmãs ou irmãos possuem a doença.

Sintomas de Hérnia de disco

Os principais sintomas da hérnia de disco são:

  • Dor cervical, torácica (dorsal) ou lombar
  • Dor nos braços ou nas pernas (ciático)
  • Sensação de formigamento, câimbras nos braços e nas pernas
  • Sensação de fraqueza por causa dos nervos acometidos
  • Em casos mais raros porém mais graves, existe a alteração dos esfínceteres vesical (urina) e anal (fezes).

Especialistas que podem diagnosticar a hérnia de disco são:

  • Clínico geral
  • Ortopedista
Diagnóstico de Hérnia de disco

Primeiramente, o médico realizará um exame físico no paciente com suspeita de hérnia de disco para avaliar onde há dores ou sensibilidade na região das costas. Em seguida, ele realizará um exame neurológico, no qual avaliará o reflexo, força muscular, capacidade de andar e sensibilidade para toques, vibrações e testes de sensibilidade.

Em muitos casos, o exame médico, o exame neurológico e uma conversa sobre o histórico médico e familiar do paciente bastam para que o diagnóstico possa ser feito. No entanto, se houver suspeita de que outra causa possa estar levando aos sintomas descritos pelo paciente, o médico poderá optar por realizar outros exames.

Foto: Freepik
Fonte: Dr. Marcos Maldaun, neurologista do Hospital Santa Paula, e portal Minha Vida.
Link:https://www.minhavida.com.br/saude/temas/hernia-de-disco