Estou doente: posso ir treinar ou devo descansar? Quando voltar a malhar?

Tem dia que ao acordar você já sente aquela dor no corpo e sabe que está doente. Mesmo com o mal-estar, bate aquela dúvida se o melhor para ficar mais disposto é ir para academia ou descansar. Vou acabar com a sua culpa: para sua saúde, a melhor alternativa é não fazer atividade física.

Ao treinar sem estar saudável você exige mais do seu corpo do que ele consegue dar conta, o que pode enfraquecer ainda mais o organismo, agravar a doença ou postergar a recuperação.

O que acontece com o corpo ao treinar doente?

Quando alguma bactéria ou vírus invade o nosso organismo, o sistema autoimune funciona como um exército e se prepara para batalha contra o inimigo. Para vencer a guerra, é preciso priorizar essa missão e entrar nela com força total. Ir para a academia enquanto o corpo está no meio dessa briga só vai atrapalhar.

Além de diminuir seu estoque de energia, você pode desviar a atenção das células imunológicas. No exercício os músculos sofrem microlesões. Ao notar esses pequenos machucados, o sistema imunológico manda alguns de seus “soldados” até lá para analisar os danos e iniciar o processo inflamatório. Aí, acaba ficando desfalcado na luta que mais importa, a contra a doença.

“De um jeito simples: suponha que há dez vírus da gripe circulando no corpo e dez células do sistema imunológico para exterminá-los. Se você ficar em repouso, as células dão conta do trabalho. Mas se você treinar elas precisam se dividir para parte analisar os danos musculares. Então, sobram cinco células para cuidar dos vírus, elas não vão dar conta”, ilustra Fabiano Cunha, médico do esporte do Hospital Santa Paula, em São Paulo.

Resumindo, se não estiver se sentindo bem, não vá treinar. Você pode agravar seu quadro, e uma simples gripe pode evoluir para uma pneumonia, por exemplo.

O sinal mais objetivo para ficar em casa é ter febre. Ela indica que o sistema imunológico está com dificuldade para eliminar os invasores, perdeu o controle da guerra e está apelando para as últimas consequências. Ou seja, é o momento em que você precisa conservar energia para sarar.

Foi teimoso e treinou mesmo assim? A escolha é sua, mas seu corpo não vai ficar feliz. “Essa história de querer malhar doente para ‘suar a doença’ não faz sentido. O que acontece é que todo exercício libera endorfina, então, após o treino é possível se sentir mais disposto, mas na sequência ocorre a imunodepressão, e um quadro que era simples pode se complicar”, explica Roberto Bizaco, médico do esporte do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo).

A sensação de melhora será momentânea e durante o dia você sentirá um efeito rebote bem pior, seu corpo vai precisar descansar o dobro por ter sido duplamente requisitado.

E quando está liberado voltar ao treino? Como cada corpo é um corpo, cada doença é uma doença, não é possível cravar o número de dias certo para voltar para a academia. Leve em consideração o seu bem-estar, como se sente e a recomendação do médico.

“O que indico como mais seguro é, em média, descansar o dobro de dias que a doença deixou você derrubado. Se ficou três dias com dor de barriga ou infecção na garganta, descanse por seis, por exemplo”, aconselha Cunha.

Se ficou com pneumonia ou algo mais grave, o ideal é descansar 14 dias: sete dias de antibiótico e sete para se recuperar. Os dias “extras” sem esforço físico após o interromper o medicamento seriam para seu organismo conseguir entrar em equilíbrio novamente. Você pode estar se sentindo curado, recuperado da enfermidade, mas o organismo não voltou ao normal, não tem estoque de energia, precisa de mais um respiro. Voltar para academia sem estar 100% saudável pode deixá-lo suscetível a outras doenças.

Se você for atleta e estiver acostumado com treinos puxados, pode voltar bem antes. “Acredito que de 48h a 72h após o início dos sintomas já é possível retomar os treinos. Mas a análise tem de ser de cada um. O importante é repousar logo de início, que é quando o corpo começa a combater as doenças”, afirma Bizaco.

E não é preciso voltar à malhação já fazendo seu treino de costume. Sinta a reação e respeite seu corpo, se permita fazer os primeiros quatro dias de retorno de forma mais branda caso necessário.

Mas exercício sempre afeta a imunidade? Para você não ficar achando que o exercício causa algum mal ao corpo, é preciso deixar claro como ele reage ao malhar saudável. Quando estamos na academia, nós estamos nos mexendo e contraindo músculos, o que leva à produção de substâncias de alerta, como a adrenalina.

“A atividade física nos deixa em atenção e o corpo não sabe dizer se é por estar malhando ou porque você está em perigo, sendo envenenado ou fugindo de um leão. A resposta do organismo é ficar preparado para atacar qualquer invasão”, explica Cunha.

Assim, quando se está saudável, o exercício moderado ajuda a aumentar a imunidade em longo prazo, deixando seu corpo afiado para responder a um invasor o mais rapidamente possível.

Foto: iStock
Fontes: Dr. Fabiano Cunha, médico do esporte do Hospital Santa Paula.
Portal Viva Bem – UOL