Caxumba: sintomas, como se pega, tratamentos, vacina e mais

A caxumba, ou papeira, é uma infecção viral aguda e contagiosa, que pode afetar qualquer tecido glandular e nervoso do corpo humano. No entanto, costuma atacar as glândulas salivares, as submandibulares e as sublinguais, próximas ao ouvido, por isso quem é afetado geralmente fica com um aspecto de “inchaço” na região do pescoço.

Trata-se de uma doença de alta morbidade e baixa letalidade, aparecendo sob a forma endêmica ou em surtos na população. É mais comum em crianças no período escolar e em adolescentes, mas também pode afetar adultos em qualquer idade.

Normalmente, a caxumba tem evolução benigna, mas em alguns raros casos pode apresentar complicações. Para a maioria das crianças, a condição não passa de um doloroso inchaço das glândulas salivares, mas em casos raros pode causar surdez e outras sequelas.

O que é?

Conforme conta o infectologista Cláudio Roberto Gonzales, membro do Hospital Santa Paula, a caxumba é uma doença infectocontagiosa viral aguda que provoca inflamação nas glândulas parótidas, submaxilares e sublinguais. “De forma prática, ela acomete a área do pescoço e do rosto, causando doloroso inchaço”, conta.

É mais comum em crianças e adolescentes no período escolar, pela facilidade de contágio. De forma geral, tem evolução benigna, mas em alguns casos pode manifestar complicações.

Caxumba pega?

Caxumba é contagiosa, podendo causar uma série de incômodos em quem é infectado. Ela acontece pela ação do paramixovírus, da família Paramyxoviridae.

A transmissão acontece pela inalação de gotículas contaminadas espalhadas por espirro ou tosse, bem como pelo contato com saliva.

A transmissão indireta, embora não seja comum, também precisa ser evitada. Ela pode ocorrer pelo compartilhamento de objetos e utensílios que entraram em contato com boca e nariz de uma pessoa contaminada. “Por isso, escolas são lugares em que a caxumba pode se alastrar rapidamente, pois o vírus é de fácil contágio”, explica o infectologista.

Dessa forma, quem está com caxumba deve se manter em casa, sem contato com muitas pessoas até o final do tratamento e liberação formal do médico.

O período de maior chance de transmissão para outras pessoas é de até sete dias antes do aparecimento dos sintomas.

É hereditária?

Não, a caxumba não é uma doença hereditária.

Quanto tempo dura?

A maioria dos adultos e crianças se recupera da caxumba sem grandes complicações em duas semanas.

Sinais e sintomas de caxumba

O principal sintoma da caxumba é o aumento das glândulas salivares, que deixa o paciente com um aspecto ligeiramente deformado na região do rosto e pescoço, bem como febre e mal-estar.

Em aproximadamente 30% dos casos a doença é assintomática.

Em crianças de até 5 anos, pode acontecer a perda neurossensorial da audição, bem como encefalite e pancreatite. Além disso, se a mãe adquirir caxumba durante o primeiro trimestre da gravidez, pode ter aborto espontâneo.

A doença tem maior gravidade em jovens adultos pois há a possibilidade de inflamação nos testículos, ovários e no tecido mamário nas mulheres. Podem acontecer também meningite e a epididimite, duas complicações importantes, mas que normalmente não deixam sequelas.

Veja sintomas gerais da caxumba:

  • Inchaço e dor no pescoço
  • Perda de apetite
  • Dor ao mastigar e engolir
  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Fadiga
Diagnóstico

O diagnóstico é clínico e pode ser confirmado por sorologia, que identifica a presença de anticorpos contra o vírus.

Por ser uma doença que ataca o pâncreas, o aparecimento das enzimas amilase e lipase em excesso também auxilia na descoberta do quadro.

Qual profissional procurar?

Assim que surgirem os primeiros sinais de que possa haver infecção por caxumba, deve-se procurar uma unidade de atendimento de saúde para que o atendimento seja feito por um pediatra, no caso de crianças e adolescentes, ou por um clínico geral ou infectologista, especialista em infecções.

A caxumba tem cura e normalmente não deixa sequelas.

Tratamento
Remédios

Não há remédios que tratam a caxumba em si, mas apenas seus sintomas. “É recomendado muito repouso enquanto a infecção durar e o uso para o tratamento dos sintomas, com prescrição de analgésicos e anti-inflamatórios para alívio da febre e da dor”, diz o especialista.

Repouso

Assim como a maioria das infecções virais, a caxumba é tratada naturalmente pelo organismo. Por isso, é essencial que o paciente fique em repouso a quantidade de dias que o médico recomendar, pois só assim o sistema imunológico poderá se recuperar plenamente.

Outros cuidados

Existem outros cuidados que devem ser tomados para que o paciente tenha melhora. Alimentação pode ser líquida ou semi-sólida para que engolir seja mais fácil e menos doloroso. Também deve ser evitada a ingestão de alimentos ou sucos muito ácidos, pois eles podem aumentar a secreção da parótida e, dessa forma, causar dor.

A alimentação deve ser equilibrada, com bom aporte de frutas, verduras e vegetais. A hidratação é essencial para o bom funcionamento do organismo e, consequentemente, melhor do sistema imunológico.

Prognóstico

As complicações da caxumba são raras, mas incluem quadros de inflamação e inchaço em outras partes do corpo – não as ligadas a cabeça e pescoço –, tais como testículos, pâncreas, ovários e seios.

A meningite pode ocorrer se o vírus da caxumba se espalhar pela corrente sanguínea.

Complicações
Otite

A otite é uma infeção do ouvido médio, um pequeno espaço cheio de ar atrás do tímpano. A caxumba, quando não tratada, pode causar esse tipo de acometimento, que costuma ser doloroso.

Meningite asséptica

Acontece quando há uma inflamação nas camadas que revestem o cérebro, as meninges, mas que não é causada por bactérias piogênicas.

Surdez

A perda da audição é uma das consequências da caxumba não tratada.

Testículos ou ovários

A inflamação dos testículos, em homens, ou dos ovários, em mulheres, pode acontecer em jovens adultos que adquirem a caxumba, podendo resultar até mesmo em esterilidade.

Prevenção

A vacinação é a única maneira efetiva de prevenir a caxumba. A imunização é gratuita nos 37 mil postos de vacinação do Sistema Único de Saúde em todo o Brasil. Para a prevenção da caxumba é ministrada a Tríplice Viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, e Tetra Viral, que adiciona a proteção contra a catapora.

Adultos que não foram infectados pelo vírus na infância ou na adolescência têm indicação de serem imunizados, com exceção de gestantes e imunodeprimidos graves.

Fonte: Cláudio Roberto Gonzales, infectologista do Santa Paula, e portal Ativo Saúde.
Link: https://www.ativosaude.com/saude/caxumba/